MEMÓRIAS SECRETAS (Remember)


Uma jornada sentimental de vingança

Filmes sobre holocausto existem de todos os jeitos e todas as formas. Personagens que passaram por essa tragédia são recorrentes no mundo do cinema, então a proposta abordada em Memórias Secretas é bastante interessante.

O protagonista Christopher Plummer - que tem no seu currículo um Oscar - interpreta Zev Guttman, sobrevivente judeu do Campo de Concentração de Auschwitz que aos 80 anos fica viúvo e com ajuda de um amigo Max Zucker (Martin Landau), decide ir atrás do homem que matou sua família na 2° Guerra Mundial.


Plummer é um grande ator - isso pode ser comprovado em sua filmografia - cheio de versatilidade, contudo o reconhecimento é recente. No filme ele consegue passar toda a fragilidade de seu personagem, perdendo a memória. Seu trabalho corporal é fascinante - além de ser muito bonito e tocante - contudo sente-se que a história tinha mais a oferecer.


O roteiro de Benjamin August é bastante emotivo. Pavimentando este caminho de redescobrimento, conta uma história de redenção e vingança, foge dos clichês e estrutura-se em algo sentimental.

A montagem coloca o ritmo do filme em risco, abordando atos desnecessários e prejudicando a construção sutil de seu protagonista.


O elenco de apoio não consegue acompanhar a delicada interpretação de Plummer, mas não é algo que prejudica o filme e até conseguem entregar um final convincente, com a carga sentimental proposta.


A direção de Atom Egoyan (À Procura, 2014 e Sem Evidências, 2013) é segura, sabe conduzir o filme com dois dos melhores atores em atividade e deixa a mensagem de que nunca devemos esquecer do passado, pois às vezes ele pode estar porta afora esperando por nós.