CORAÇÃO ARDENTE (Corazón Ardiente)




EM BUSCA DE UM MILAGRE

por Vicente Vianna


Todas as religiões usam o audiovisual para entreter e afirmar a fé dos fieis. Vide os evangélicos que, além de filmes para o cinema, fazem novelas bíblicas. Coração Ardente, um filme espanhol, segue essa linha: é católico como a história do O Código Da Vinci (2006), e sua continuação Anjos e Demônios (2009), ambos de Ron Howard. Porém, a comparação para na temática religiosa pois, além disso, a única semelhança entre esses filmes é o toque do telefone celular que é o mesmo “trimm” de telefone antigo, do personagem do Tom Hanks (Forrest Gump, 1994).

A trama não tem a ação dos filmes hollywoodianos. Uma escritora - Lupe Valdés (Karyme Lozano) - passa por um bloqueio criativo e tem que cumprir o contrato com a editora. Ajudada por uma perita em mistérios religiosos, vai atrás da história do Sagrado Coração de Jesus pelo mundo. Aí o filme vira um documentário com o drama familiar da escritora como pano de fundo. Tem locutor narrando, belas imagens das igrejas, das cidades, do Papa Francisco no Vaticano e imagens de arquivo de fatos religiosos, assim como depoimentos reais posados para a câmera. A trilha sonora lembra as dos vídeos motivacionais desses coachs famosos, um tanto quanto exagerada.


São dois diretores, creio que o Andrés Garrigó (São Pedro Poveda, 2016) - fundador e CEO da produtora Goya - ficou mais com a direção dos depoimentos e o Antonio Cuadri (Por Uma Boa Vida, 2000) - que também faz séries para TV, videoclipes - dirigiu a dramaturgia. Senti falta de uma direção de ator na menininha que aparece sorrindo. Ela só tinha que entregar um papel sorrindo para a protagonista, mas, sem orientação cênica, já aparece sorrindo o tempo todo e soou forçado. Yolanda Ruiz (da Série de TV espanhola El Síndrome de Ulises, 2007 - 2008) está muito bem como a mãe solitária com mágoa e amor pelo marido distante, o filme é dedicado a ela que faleceu antes de entrar em circuito.

A bela atriz Karyme Lozano (da série de mexicana Noches con Platanito, 2013 - 2015) atua muito bem como uma espanhola, sem o sotaque da sua terra natal. O resto do elenco não compromete e é entremeado com depoimentos reais.



Segundo os diretores, o filme foi feito para enaltecer o amor entre as pessoas que estão cada vez mais frias e voltadas para o próprio umbigo. O milagre do Sagrado Coração de Jesus resgata a fé na vida e um olhar carinhoso com o próximo dando esperança de uma vida com mais amor.


Fica claro que os depoimentos foram escolhidos para fortalecer o sagrado e aquecer os corações das pessoas. Quando mostra o milagre numa guerra em que uma bomba explodiu um caminhão comboio e destruiu só a parte que carregava o material, salvando as vidas dos soldados que tinham um escapulário com a imagem do Sagrado Coração de Cristo, nos dá margem para imaginar que numa grande tropa também morreram soldados com igual amuleto de proteção divina, mas isso não é mostrado, pois não é o foco da investigação.


O filme agradará mais às pessoas que querem conhecer a história do Sagrado Coração de Cristo e os religiosos, sobretudo os católicos. Como na prática da igreja, em que a contribuição ajuda a manter o culto, esse filme também foi financiado pelos fieis em um crowdfunding (arrecadação virtual). Os assuntos religiosos sempre geram filmes, alguns dramatizados e outros um docudrama como este da Espanha.


Coração Ardente tem o intuito de quebrar o gelo e fazer bater com paixão e fé o coração de quem assiste, para reverberar nos seus relacionamentos. Milagres existem. Basta de guerras no mundo.