PÂNICO (Scream)



FAZENDO JUS AO LEGADO DE WES CRAVEN


por Ricardo Corsetti


Garota ao telefone, conversando com o assassino: "Peraí, me faça perguntas sobre filmes que eu conheço, como: 'Hereditário' ou 'A Bruxa', por exemplo". Garota explicando aos amigos, quais são as regras para de fazer um bom remake ou continuação: "Não se pode reiniciar uma franquia de sucesso, a partir do nada. É preciso respeitar a trama e os personagens originais. 'Brinquedo Assassino', "Halloween', etc; todos aqueles que não respeitaram essa premissa, se deram mal".

Eis apenas alguns exemplos dos diálogos afiados e espirituosos que permeiam Pânico (assim mesmo, sem qualquer indicação de que se trata do quinto filme e portanto, até nisso fazendo piada consigo próprio). As alfinetadas em relação aos badalados filmes do chamado "Post Horror" citados no primeiro parágrafo, bem como a direta menção aos "slashers limpinhos" (com pouco sangue e assexuados) hoje produzidos em Hollywood, deixam claro que a dupla de jovens diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillet (também responsáveis pelo divertido "Casamento Sangrento", 2019), entende mesmo do riscado e está disposta a se orientar pelo humor inteligente e metalinguístico que sempre caracterizou a franquia, idealizada pelo saudoso Wes Craven (1939 - 2015).

Portanto, graças ao inegável talento dos jovens diretores, vemos nesta reencarnação de "Pânico" um filme bem satisfatório, sobretudo para os velhos fãs da franquia, dentre os quais me incluo e que - assim como eu - muito provavelmente também estavam preparados para verem uma bomba atômica (no mau sentido), mas, felizmente - assim como eu - se surpreenderão com o ótimo resultado.

O jovem elenco principal é também um dos pontos altos do filme, com destaque para a bela e ótima Melissa Barrera ("Um Bairro Em Nova Iorque", 2021) vivendo a protagonista Sam Carpenter, clara menção ao célebre diretor John Carpenter (Eles Vivem, 1988) e mais uma prova, portanto, de que os diretores são, de fato, bons conhecedores do gênero horror e, sobretudo, do subgênero slasher.


Destaque também para ótima Mikey Madison (Era Uma Vez em Hollywood, 2019) vivendo a insana Amber Freeman.


Obviamente, os principais personagens (sobreviventes, aliás) da franquia original, não poderiam deixar de fazerem especialíssimas participações: Sidney Prescott (Neve Campbell), Gale Weathers (Courtney Cox) e Dewey Rilley (David Arquette), todos presentes no elenco da célebre franquia desde o primeiro filme, rodado em 1996.


Sangria e senso de humor na medida certa, quanto a isso, os velhos fãs de "Pânico" podem ficar tranquilos, pois tais ingredientes fundamentais a um bom slasher, sem dúvida, não faltam neste novo filme.


O grande e saudoso Wes Craven pode descansar em paz, pois seu legado ainda está a salvo e em boas mãos.