PJ HARVEY : UM CÃO CHAMADO DINHEIRO (A Dog Called Money)




NASCIDA PARA SER CULT

por Ricardo Corsetti


Polly Jean Harvey, cantora de origem britânica mais conhecida como PJ, musa absoluta da geração anos 90. Lembro-me da época em que os clipes de algumas de suas mais belas e populares músicas: C'mon Billy (1994) e Dress (1992), passavam direto na já finada MTV Brasil.



Portanto, para mim, vê-la novamente no documentário PJ Harvey: Um Cão Chamado Dinheiro, dirigido pelo estreante na direção Seamus Murphy, é uma experiência prazerosa, sobretudo quando a vejo em ação, no palco. No entanto, as longas e previsíveis sequências em que a diva aparece "imersa em seu processo criativo" de um novo álbum, às vezes chega a cansar um pouco. Problema que seria facilmente resolvido com uma edição um pouco mais enxuta do material captado ao longo de suas andanças pelo mundo em busca de inspiração para o novo projeto.


Em comparação a um filme como O Livro da Vida (1998), do cineasta norte-americano Hal Hartley, por exemplo, onde PJ Harvey tem sua estreia como atriz propriamente dita, Um Cão Chamado Dinheiro peca bastante no quesito originalidade, se submetido a tal análise.


Por isso mesmo, Um Cão Chamado Dinheiro evidencia-se muito mais um filme para fãs (como é o meu caso) da musa indie. Acertando em cheio quando a registra fazendo o que ela sabe fazer de melhor: se apresentar sobre um palco, em performances sempre carregadas de energia e paixão.



Documentários musicais, sobretudo quando não se limitam a apenas registrar seus personagens (ou seja, os próprios artistas) em cima do palco necessitam de um personagem real que seja extremamente carismático para "segurar a onda" por si só. E felizmente, Polly Jean Harvey, ou PJ para os íntimos, tem carisma de sobra para encarar esta empreitada.