HOMENAGEADOS

Beto Brant

Cineasta paulista nascido em 1964, formou-se em cinema pela FAAP em 1987, e começou como diretor de curtas-metragens. Seu longa-metragem de estreia – Os Matadores – foi lançado em 1997 e recebeu o prêmio da crítica em Gramado, sendo seguido por outros longas também premiados e

distribuídos para países europeus, entre eles Inglaterra, França, Israel e Polônia.

 

Com o escritor Marçal Aquino, desenvolveu uma longa parceria: o escritor é autor das histórias e coautor dos roteiros dos seus três primeiros longas-metragens. Crime delicado, seu quarto filme, finalizado em 2005, é baseado no romance homônimo de Sérgio Sant’Anna e foi selecionado, entre outros, para os festivais de Toronto, do Rio, onde foi escolhido melhor filme brasileiro pela crítica e melhor diretor pelo júri oficial, e de Miami, onde ganhou os prêmios de melhor fotografia e roteiro.

Filmografia selecionada:

 

Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios (2011). Codirigido com Renato Ciasca.

 

O amor segundo B. Schianberg (2009). Selecionado para a Premiére Brasil do Festival do Rio de 2009.

 

Cão sem dono (2007). Prêmio de Melhor Filme no Cine Pernambuco.

 

Crime delicado (2005). Selecionado para o Festival de Toronto. Prêmio de melhor filme brasileiro pela crítica e melhor diretor pelo júri oficial. Prêmio de melhor roteiro e fotografia no Festival de Miami.

 

O Invasor (2002). Prêmio de Melhor Filme Latino-Americano do Sundance Film Festival. Prêmio de melhor direção no Festival de Brasília. Prêmio de melhor filme e direção no Festival de Recife. Selecionado para o Festival de Berlim

 

Ação Entre Amigos (1998). Prêmio de melhor direção no Festival de Recife. Selecionado para o Sundance Film Festival.

 

Os Matadores (1997). Prêmio da crítica no Festival de Gramado.

 

Curtas-metragens:

 

 (1993), Eternidad (1991), Dovè Meneguetti (1989) e Aurora (1987).

 

Fonte: www.filmeb.com.br
 

Laerte Coutinho

Mostra Laerte Coutinho

A cada ano o CURTA NEBLINA - Festival Latino-Americano de Cinema procura batizar sua mostra de filmes sobre Diversidade Sexual com o nome de uma pessoa representativa no meio.

Nesta 5ª edição a pessoa escolhida é o cartunista Laerte Coutinho. É com muita honra que recebemos Laerte para um bate-papo descontraído com o público presente mediado pelo crítico de cinema Christian Petermann.

BIOGRAFIA
 

Nasceu em São Paulo, em 1951 - fez alguns cursos livres de pintura e desenho; entrou na USP, em Comunicações para fazer Música e depois Jornalismo - porém não se formou.

Fez parte dos criadores da revista em quadrinhos Balão e da empresa Oboré (assessoria de comunicação para sindicatos).

Publicou seu trabalho no jornal O PasquimO Bicho, no Estado de São Paulo, na Folha de São Paulo, em várias revistas.

Editou a revista Piratas do Tietê - também o nome da tira diária que produz.

Participou da redação de programas de tevê da Rede Globo: TV PirataTV Colosso e Sai de Baixo.

Pierino Massenzi

Exposição

Cenógrafo e diretor de arte, veio da cidade de Roma em 1947, após lutar na II Guerra Mundial. Dois anos depois foi convidado a trabalhar como pintor de cenários da Cia Vera Cruz. Logo tornou-se cenógrafo e diretor de arte. Trabalhou em todos os filmes da produtora. Trabalhou nos mais importantes filmes da cinematografia nacional como: O Cangaceiro (de Lima

Barreto, 1953), Assalto ao Trem Pagador (de Roberto Farias, 1962) e Noite Vazia (de Walter Hugo Khoury, 1964).

Durante os dias de evento, o Clube União Lyra-Serrano contou com uma exposição de pinturas originais que se tornaram os cartazes de diversos filmes da Cia Vera Cruz, além de importantes troféus recebidos por Pierino Massenzi.

 

Faleceu em 13 de setembro de 2009.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now