AO CAIR DA NOITE (It comes at nigth)


Forças misteriosas de um psicológico impactante


Ao Cair da Noite - do diretor Trey Edward Schult (Krisha, 2015) - é um filme de grande impacto carregado de paranoia e desconfianças. Schult parece ansioso por revelar sua assinatura autoral e na ambição de suas metáforas.


Na trama, Joel Edgerton (O Grande Gatsby, 2013) interpreta um pai de família que fará de tudo para proteger sua a mulher e seu filho de uma presença misteriosa que os aterroriza pela porta da frente.

O roteiro é um dos trunfos do filme, mas poderia ser reduzido na segunda metade indo direto para o desfecho da narrativa. Nessa única sequência nota-se a delicadeza de Travis (Kelvin Harrison), o garoto de 17 anos que parece resistir à paranoia e o isolamento de seus pais.


Levando em consideração contextos de isolamento e luta pela sobrevivência, tudo parece piorar a situação dos personagens, que a cada decisão transforma o filme em algo perturbador, onde a curiosidade vai aumentando a cada fato. É uma história sufocante, e mostra que a criatividade, a montagem e o elenco não dependem efeitos especiais. A fotografia usa contrastes de luz e sombra, deixando os ambientes bonitos, mas ameaçadores também.


Em Ao Cair da Noite não temos certeza de nada, sequer sabemos onde tudo está se passando. A imprevisibilidade prevalece até o final revelando que surge um terror em plena forma.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now