ROBIN HOOD - A ORIGEM (Robin Hood)


O herói inglês Robin Hood, o príncipe dos ladrões, o que roubava dos ricos para dar aos pobres, é um personagem fascinante que sempre atraiu o interesse da literatura e do cinema. Também conhecido como Robin dos Bosques, em Portugal, o Roberto do Capuz (Hood) teria vivido na Idade Média no tempo das Cruzadas, nos séculos XII ou XIII, sendo contemporâneo do rei Ricardo Coração de Leão. O capuz servia para lhe possibilitar a dupla identidade: Robert Locksley, um nobre, e Robin Hood, o ladrão que tomava para si e para o seu grupo de colaboradores a função de redistribuir melhor a riqueza em seu condado. Seu habitat, a floresta de Sherwood.


O filme Robin Hood, a Origem, dirigido por Otto Bathurst, com Taron Egerton no papel do herói, afirma no pôster de divulgação que “a lenda você conhece, a história, não”, daí o subtítulo “A Origem”. Como assim? Que história, que origem? Cada texto literário ou filme conta a sua, é o que mantém a lenda, o mito vivo, desde os anos 1300, diga-se.


Por que voltar a Robin Hood no cinema, depois de ele ter sido tão fartamente explorado, e vivido por grandes atores, a partir do clássico de 1938, com Errol Flynn? John Derek, em 1950, Sean Connery e Kevin Costner, em 1991, Russel Crowe, em 2010, para citar apenas alguns. Sem esquecer o registro de comédia, de Renato Aragão e Os Trapalhões, em dois filmes dos anos 1970.

O que Robin Hood, a Origem faz é colocar o personagem a serviço do formato blockbuster hollywoodiano, o superespetáculo cheio de tecnologia, efeitos especiais, muita ação, muita luta, explosões. O de sempre. Idade Média do século XXI. É só observar as flechas de design superavançado disparadas como metralhadoras de precisão. Como sempre, o herói resiste a tudo nas situações mais absurdas e inverossímeis. Tudo em nome do espetáculo, do entretenimento.


Para conseguir curtir esse tipo de espetáculo, é indispensável deixar completamente de lado o espírito crítico e distanciar-se do cotidiano da vida. Isso, apesar das evidências sociais e políticas do tema central e de o personagem se tornar um revolucionário, incentivador da ação das massas. Aí pode ser um refresco encarar a aventura do homem medieval do capuz que, na verdade, parece ahistórico, fora do tempo. Mais ou menos como dar um tempo em acompanhar o noticiário de jornais, TV, Internet, para poder suportar um dia a dia cada vez mais preocupante e assustador.


É o velho e conhecido escapismo que, nos dias atuais, se permite críticas e ironias a grupos e instituições, como neste caso a igreja, que serve de sustentáculo a uma política opressora que asfixia a população, por meio de impostos de guerra cada vez mais escorchantes.


A luta do bem e do mal, no entanto, segue os ditames do mercado. E, com a malandragem habitual, coloca no fim a cena que dará início ao próximo filme da série “Robin Hood”. Se houver, se o público comprar.



Leia esta e outras críticas de Antonio Carlos Egypto em:

www.cinemacomrecheio.blogspot.com


This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now