UM DIA DE CHUVA EM NOVA YORK (A Rainy Day in New York)


Woody Allen aguado


Um Dia de Chuva em Nova York é um filme de Woody Allen (Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, 1977) e basta isso para receber toda a atenção dos espectadores que apreciam cinema de qualidade e da mídia. Ele sempre foi um diretor de cinema festejado pelos críticos, dono de uma legião de fãs e de um estilo todo seu que acabou virando uma referência para os profissionais do ramo que se inspiram no seu humor ácido e intelectual para criarem suas obras. O cara é considerado um verdadeiro gênio.


Mas, no caso deste filme, parece que foi ele que se inspirou em outras obras. A ideia parece ter sido inspirada em produções como Um dia em New York (Stanley Donen, 1949) onde 3 marinheiros aproveitam Nova York nas suas 24 horas de folga. Outro é Forasteiros em Nova York (Arthur Hiller, 1970), onde um vendedor vai à cidade para uma entrevista junto com sua mulher e se metem em várias confusões.


São comédias de encontros e desencontros onde a cidade atua como um elemento catalizador de mudanças nos personagens que se perdem na mesma e são influenciados pelas características de seus habitantes e locais. Talvez poderíamos até chamar de uma espécie de subgênero ou clichê mesmo, pois temos outros exemplos onde acontece a mesma coisa. Um dos mais famosos é O Fundo do Coração (Francis Coppola, 1981) onde um casal em crise visita Las Vegas e se mete em encrencas com encontros e desencontros que acabam marcando suas vidas e seu modo de ser. Se Coppola pode se render a um subgênero ou clichê, será que Woody Allen pode fazer o mesmo? A resposta é sim.

Gatsby (Timothée Chalamet) e Ashleigh (Elle Fanning) são um casal de namorados que tem a oportunidade de passar um fim de semana em Nova York pois ela vai fazer uma entrevista com o famoso diretor de cinema Roland Pollard (Liev Schriber). Ele parece um garoto rico sem noção e ela é uma entusiasmada aspirante a jornalista. Os dois partem para Nova York e ali se metem em encrencas. Ela recebe a oportunidade de acompanhar o grande diretor em sua crise de criação e conhece um charmoso astro do cinema. Ele se mete com uma prostituta de luxo, acaba fazendo uma cena em um filme de um diretor que lembra muito Woody Allen e se enrosca com a atriz. Temos os mesmos encontros e desencontros que são marcados pelo charme da cidade amada pelo diretor.


E Woody Allen apresenta uma Nova York esplendidamente fotografada pelo mestre Vittorio Storaro, diretor de fotografia dos mega cultuados clássicos O Último Imperador (Bernardo Bertolucci, 1987) e Apocalypse Now (Francis Coppola, 1979), entre outras obras que entraram para a história do cinema. E prova que merece a fama que tem. O filme nos apresenta imagens belíssimas que vão de tons pálidos aos quentes e dourados embaladas por um Jazz um tanto meloso que virou marca do diretor. Os personagens que atravessam a trajetória do casal são interpretados por uma lista de ótimos atores e atrizes que dão seu show apesar de Elle Fanning mostrar-se mais entusiasmada do que todos juntos, ela rouba a cena.


É um filme simpático, tem uns diálogos até inteligentes e engraçados. Mas é uma obra de Woody Allen e parece muito leve para ele. Se fosse outro diretor poderia até ser cantado como uma bela obra de iniciante. No final a sensação é de ver uma sessão da tarde bem feita com sabor de filme dos anos 50 ou 60.


This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now