CASE COMIGO (Marry Me)




VELHA FÓRMULA QUE AINDA FUNCIONA


por Ricardo Corsetti

Nada é mais a cara dos anos 90, época do auge da carreira de Jennifer Lopez (Irresistível Paixão, 1998), aliás, do que uma boa comédia romântica. O subgênero foi tão popular (e lucrativo) no cinema norte-americano do período que chegou a influenciar, também, boa parte da produção francesa, posterior a meados dos anos 90, por exemplo.

O recente Case Comigo, estrelado e produzido pela diva pop Jennifer Lopez, não foge às regras básicas deste formato que deu tão certo, já há praticamente duas décadas anteriores à sua realização. Desilusão amorosa/posterior encontro do verdadeiro amor, personagens secundárias fofas e engraçadinhas, trilha sonora que carrega no açúcar, conclusão de que mesmo uma vida de sucesso e realizações profissionais "nada valem sem a presença de um grande amor a seu lado", etc. Todas essas regrinhas básicas deste subgênero às quais todo mundo conhece (embora elas não estejam de fato escritas em nenhum manual de roteiro), estão aqui presentes e, sabe o que é mais impressionante? Ainda funcionam muito bem! O coprotagonista, vivido pelo eterno não-galã Owen Wilson (Meia-Noite em Paris, 2011) é super carismático, graças ao misto de timidez, inteligência e sinceridade nas atitudes e palavras que o caracterizam o tempo todo. Jennifer Lopez, por sua vez, praticamente interpreta a si própria: uma estrela da música pop, já na casa da meia idade, plenamente realizada profissionalmente, o tempo todo bajulada por assistentes, fãs e patrocinadores, mas que, no fundo no fundo "ainda vive à espera de seu único e verdadeiro amor". E ela dá conta do recado, seja de fato atuando, seja desempenhando coreografias nos vários números musicais que permeiam o filme, onde demonstra estar ainda com um corpão de fazer inveja a muita menininha por aí...

A diretora Kat Coiro (Disque Amigas Para Matar, 2019) se mostra competente para conduzir o ritmo da trama e driblar (explorar bem) os muitos e evidentes clichês narrativos com os quais aqui necessita lidar, nos oferecendo um filme leve, descompromissado e bastante simpático. Jennifer Lopez, evidentemente, está longe de viver o auge de sua carreira, seja como artista pop, seja como atriz, mas tem carisma suficiente para segurar a onda e até, quem sabe, gerar, enquanto produtora executiva de Case Comigo, um sucesso inesperado. Isso veremos em breve...