FREAKY - NO CORPO DE UM ASSASSINO (Freaky)




HONRANDO A TRADIÇÃO DO SLASHER

por Ricardo Corsetti

Divertidíssima homenagem/citação ao subgênero slasher (terror com muito sangue), na qual o diretor e roteirista Christopher Landon (A Morte Te Dá Parabéns, 2019) acerta em cheio ao emular sobretudo à tradição do "teenager slasher", inaugurado pelo já clássico Pânico (Wes Craven, 1997).

Aliás, a forma como Freaky ao mesmo tempo satiriza e reverencia os clichês deste subgênero, lembra muito o mesmo misto de terror com comédia adolescente, visto em Pânico 4 (2011) também do mestre supremo Wes Craven.


A troca de personalidade é outro artifício muito utilizado pelas comédias oitentistas e pouquíssimas vezes associado ao gênero terror, e aqui é muito bem aproveitado, rendendo momentos hilários graças ao carisma de Vince Vaughn (Confronto no Pavilhão 99, 2018) que aqui vive o sanguinário "açougueiro de Blissfield", trocando involuntariamente de personalidade com a singela mocinha, Millie (Kathryn Newton).

Outro ponto alto do filme é o personagem Josh (Misha Osherovich), cuja função é justamente satirizar um dos clichês máximos do slasher tradicional, pois, conforme ele mesmo diz em determinada cena: "as minorias sempre são as primeiras a morrer no terror adolescente", visto que o personagem em questão é homossexual.



Em suma, embora Freaky seja mesmo composto por uma overdose de citações aos clássicos do "teenager slasher", visto que há também claras menções ao célebre A Hora do Pesadelo (1986), também dirigido por Wes Craven; o faz com personalidade e muita competência.


Confesso que, como poucas vezes me aconteceu nos últimos anos, ao ver lançamentos não consigo encontrar possíveis pontos fracos ou deslizes a mencionar em Freaky. Portanto, só me resta dizer: se você também é fã de terror e, sobretudo do subgênero slasher, não deixe de assisti-lo, pois é diversão garantida!


This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now