MINIONS 2: A ORIGEM DE GRU (Minions: The Rise of Gru)


VILANIA FOFÍSSIMA


por Ricardo Corsetti


Dando sequência, 7 anos depois, ao mega-sucesso Minions (Pierre Coffin e Kyle Balda, 2015), o novo filme de animação nos apresenta um Gru (protagonista) ainda criança e também o momento em que ele conheceu seus fiéis seguidores. Sim, os cruelmente fofíssimos Minions.

Embora o filme não saia muito do lugar comum, no sentido de nos apresentar um garoto extremamente mimado por seus pais e, por outro lado, ridicularizado por seus colegas de escola (Gru), o grande mérito dessa sequência é transpor a trama para a década de 1970, o que claramente resulta num belo trabalho de reconstituição de época e, claro, uma trilha sonora de primeiríssima: Breaking All The Rules (Peter Frampton) e School's Out (Alice Cooper), só para citar alguns exemplos.



A dupla de diretores Kyle Balda (Minions, 2015) e o estreante Brad Ableson mostra-se muito hábil no sentido de conduzir a trama de forma acessível ao público infanto-juvenil, mas tornando-a também interessante ao público adulto, por meio de ótimas piadas que exploram referências de época, presentes na caracterização dos personagens.

Também é muito interessante constatar que os maleficamente fofíssimos Minions não são nem um pouco maus em sua essência, mas sim, apenas manipuláveis pelo "gênio do mal", ou seja, o pequeno (mas já da pá virada) Gru. Sendo possível, portanto, fazer um claro paralelo acerca de como funciona a manipulação dos "inocentes úteis" por parte da classe política do mundo real.


Minions 2: A Origem de Gru promete ser a grande sensação dessas férias escolares que estão prestes a começar e, sem dúvida, merece uma boa conferida!